História

"Mas para que a sua voz fosse ouvida, era necessário fortalecer a sua imagem, sem o que também não tinha sentido a sua projeção internacional. Ninguém pretenderá ser reconhecido internacionalmente quando nem sequer é conhecido no seu próprio País.”

1º Congresso APPC
Subordinado ao tema "Arquitetura e Engenharia: Um setor em mudança acelerada”, teve lugar em 21 de novembro, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e reuniu mais de 200 profissionais da área da Arquitetura e Engenharia. Foi um momento importante para debater os principais temas que preocupam o setor, para definir novos passos e pensar naquele que será o futuro da construção.
2023
1º Congresso APPC
Plano Estratégico APPC 2022/2027
Com o objetivo de reestudar a Associação após 50 anos de atividade, analisando a sua abrangência, representatividade e governance, entre muito outros aspetos, para confirmar, adaptar ou redefinir o seu papel para o próximo quinquénio.
2022
Plano Estratégico APPC 2022/2027
Newsletter da APPC
Lançamento da primeira edição.
2018
Newsletter da APPC
Projeto Engenharia e Arquitetura no Mundo
Arranque do Projeto Engenharia e Arquitetura no Mundo, com o apoio do SIAC / Portugal 2020, sistema de incentivos financiado pela U.E.
2017
Projeto Engenharia e Arquitetura no Mundo
Página no LinkedIn e comemoração do 40º aniversário
Lançamento da página da APPC no LinkedIn, a primeira e única rede social onde a Associação está presente.

Realização de um Seminário-Debate seguido de um Jantar de Comemoração dos 40 Anos da APPC; o Seminário foi subordinado aos temas contratação pública e internacionalização.

A APPC assina um Protocolo de Cooperação com a REFER (atual Infraestruturas de Portugal) tendo em vista a formação e transferência de know-how ferroviário; foi neste âmbito que a Associação e a Academia REFER (mais tarde Academia IP) organizaram 4 cursos em 2015 e 1 em 2016 sobre Segurança Ferroviária.
2015
Página no LinkedIn e comemoração do 40º aniversário
Lançamento da versão portuguesa de 3 Manuais da FIDIC
Lançamento em dezembro da versão portuguesa de 3 Manuais da FIDIC – Silver Book, Yellow Book e White Book.
2014
Assembleia Geral da FEPAC e Seminário
Organização em Lisboa, nos dias 4 e 5 de abril, da Assembleia Geral da FEPAC e de um Seminário com Associações da América Latina sobre o tema "PPPs: Por um desenvolvimento mais rápido”.
2013
Assembleia Geral e Conferência Anual da EFCA
Organização em Lisboa, nos dias 24 e 25 de maio, da Assembleia Geral e Conferência Anual da EFCA, subordinada ao tema "Developing the Engineering World – Winning Strategies”
2012
Lançamento da versão portuguesa do Red Book da FIDIC e admissão na FEPAC
Em Junho a APPC lança a versão portuguesa do Red Book da FIDIC (Condições Contratuais para Trabalhos de Construção recomendadas para Trabalhos de Construção e Engenharia projectados pelo Dono de Obra), a primeira publicação desta federação a ser traduzida para a língua portuguesa.

Em meados do ano a APPC tona-se membro efetivo da FEPAC - Federação Pan-americana de Consultores, que integra associações de vários países da América Latina e as associações de Portugal e Espanha.

2011
Fusão, por incorporação, da APVP na APPC
Fusão, por incorporação, da APVP – Associação de Projectistas de Vias e Pontes, na APPC; com este processo, foram integradas 19 empresas daquela associação na APPC. Nesta altura era Presidente o Eng. Victor Carneiro.

Em julho é constituída a CPCI – Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, que a APPC integra como membro fundador.
2009
Fusão, por incorporação, da APVP na APPC
Definição de Funções e Honorários
Publicação do documento "Definição de Funções e Honorários para a Prestação de Serviços de Projecto e Consultoria 2008”, baseado nas "Tabelas de Honorários” publicadas em 1994 e revistas em 2003; dado que a legislação europeia determinou a proibição da fixação de tais tabelas, esta publicação passou a ser um documento meramente orientador, apresentando valores indicativos.
2008
Definição de Funções e Honorários
Projeto “Engenharia Portuguesa: Fileira Construção e Projetos” (“build”)
Candidatura conjunta das organizações representativas da Fileira da Engenharia Portuguesa (entre as quais a APPC) ao PRIME, programa de incentivos financiado pela U.E. O Projeto "Engenharia Portuguesa: Fileira Construção e Projetos” (abreviadamente designado "build”) teve como principal objetivo aumentar as exportações; para além da participação em ações conjuntas, a APPC elaborou o estudo "O Desafio da Internacionalização das Empresas Portuguesas de Consultoria da Fileira de Engenharia – Um Guia para a Acção” e participou em missões empresariais (Roménia e BAD/BEI).

2006
Projeto “Engenharia Portuguesa: Fileira Construção e Projetos” (“build”)
Lançamento do seguro de responsabilidade civil profissional
Depois de um período de negociações com uma seguradora e um corretor de seguros, em janeiro entram em vigor as apólices das empresas que no mês anterior decidiram aderir ao seguro de responsabilidade civil profissional da APPC, um seguro de grupo que desde então tem tido um êxito assinalável.
2005
Comemoração dos 30 anos da APPC
Procedeu-se à renovação da imagem da APPC, com a criação de um novo logotipo mais legível que o logotipo que existia desde a fundação; foi publicado um livro sobre a história da associação, com o título "30 Anos ao Serviço da Consultoria”; realizaram-se 2 eventos - conferência e jantar-debate de lançamento das comemorações, em janeiro de 2004, e conferência e jantar-debate de encerramento das comemorações, em janeiro de 2005; no jantar-debate foram entregues Diplomas de Sócios às empresas inscritas há 30 anos (sócios fundadores).
2004/2005
Comemoração dos 30 anos da APPC
Assembleia Geral e Conferência Anual da FEACO
Organização em Lisboa, nos dias 22 a 24 de maio, da Assembleia Geral e Conferência Anual da FEACO, subordinada ao tema "A Consultoria de Gestão num Mundo em Rápida Mudança”; o principal dinamizador foi o Eng. Fernando Rolin, membro da Direção então responsável pela secção de organização e gestão.
2002
Assembleia Geral e Conferência Anual da FEACO
Lançamento do “web site”
Lançamento do "web site” da APPC, um importante instrumento de comunicação, que para além de divulgar as atividades da associação, tornou-se uma montra das empresas associadas, com a colocação "online” das respetivas fichas, que até então só figuravam no Anuário e passaram a ser atualizadas anualmente.
2000
Assembleia Geral e Conferência Anual da EFCA
Organização em Lisboa, nos dias 29 de maio a 1 de junho, da Assembleia Geral e Conferência Anual da EFCA, subordinada ao tema "Modernização e Reabilitação Urbana. Casos de Lisboa e Porto”. Na Assembleia Geral foi eleito como novo Presidente da EFCA o Eng. José Borges Rayagra, então membro da Direção da APPC.
1999
Assembleia Geral e Conferência Anual da EFCA
Compra do andar da APPC
APPC celebra contrato de "leasing” de 12 anos para comprar as instalações onde se encontra atualmente instalada; era então Presidente o Eng. Fernando Silveira Ramos.

APPC beneficia de apoios da União Europeia através do SINAIPEDIP – Sistema de Incentivos a Serviços de Apoio à Indústria, Regime de Apoio às Estruturas Associativas.
1998
Compra do andar da APPC
Revisão dos Estatutos (APPC passa a ter unicamente sócios empresariais) e lançamento do Anuário bilingue
Em janeiro é aprovada a revisão dos Estatutos, que aumenta a duração do mandato dos órgãos sociais de 2 para 3 anos e a condição de associado passa a ser exclusivamente reservada a empresas.

Lançamento do primeiro Anuário bilingue (português e inglês).
1995
Tabelas de Honorários
Publicação das Tabelas de Honorários para a Prestação de Serviços de Projecto e Consultoria.

1994
Tabelas de Honorários
1º Boletim Informativo
E outubro é lançado o 1º Boletim Informativo da APPC; o Presidente da Associação era o Eng. Artur Ravara.
1993
1º Boletim Informativo
1º Jantar-Debate da APPC
Em maio realiza-se o 1º Jantar-Debate da APPC, uma iniciativa que se iria repetir por diversos anos e que teve sempre como convidados de honra altos representantes do poder político. Era Presidente o Eng. Joaquim Caldeira Rodrigues.

1991
1º Jantar-Debate da APPC
Admissão no CEDIC, que em 1992 dará origem à EFCA
APPC adere à associação europeia que agrupa os consultores independentes, o CEDIC – Comité Européen des Ingénieurs Conseils; em 1992 ocorre a fusão desta organização com o CEBI – Comité Européen des Bureaux d’Ingénierie, dando origem à EFCA – Federação Europeia das Associações de Consultores de Engenharia.
1989
Admissão no CEDIC, que em 1992 dará origem à EFCA
Protocolo de Cooperação entre a APPC e o ICEP
Assinatura em 8 de junho do 1º Protocolo de Cooperação entre a APPC e o ICEP, que permitiu o desenvolvimento de ações de internacionalização e apoiar a presença, a representação e a afirmação da Consultoria Portuguesa no plano internacional.

Atribuição ao Eng. José Araújo Coutinho do grau de Sócio Honorário, distinção atribuída pela 1ª vez.
1988
Protocolo de Cooperação entre a APPC e o ICEP
Admissão na FIDIC
Depois de um longo período de aproximação com a FIDIC - Federação Internacional de Engenheiros Consultores, na Assembleia Geral desta Federação realizada em Lausanne, no dia 9 de setembro, a APPC é finalmente admitida como membro.

1987
Admissão na FIDIC
Directório “Portuguese Consultants” e Assembleia Geral e Conferência da FEACO
Edição conjunta da APPC, do IIE – Instituto do Investimento Estrangeiro e do ICEP – Instituto do Comércio Externo do "Portuguese Consultants”, Directório dos sócios com vocação para a exportação dos seus serviços.

Nos dias 21 a 23 de maio a APPC organiza com assinalável êxito em Lisboa a Assembleia Geral e Conferência da FEACO, subordinada ao tema "Os Recursos Humanos num Mundo em Transformação”. O principal dinamizador foi o Dr. Carlos Borges de Araújo, membro da Direção e futuro Presidente nos anos de 1989 e 1990.
1986
Directório “Portuguese Consultants” e Assembleia Geral e Conferência da FEACO
Anuário da APPC
Primeira edição do Anuário da APPC, que naquela altura era considerado um dos elementos básicos para a criação de uma imagem de marca do Setor e que tinha sido sucessivamente adiado devido à dificuldade em obter dados de um grande número de sócios.
1985
22ª FIL - “Know-how, Engineering – Estudos, Projetos e Serviços” e admissão na FEACO
Em maio a APPC participa, a convite da AIP, na 22ª FIL, cujo tema é: "Know-how, Engineering – Estudos, Projetos e Serviços”. O tema da participação da APPC é: "Portugal sem a Técnica Portuguesa Deixaria de Ser Portugal…” A Associação organiza em simultâneo um Colóquio Internacional sobre o tema "O Futuro dos Consultores Técnicos em Portugal”, no qual participam representantes das Federações internacionais nas quais a APPC mais tarde se filiou: FIDIC, FEACO, CEDIC e CEBI (passados alguns anos estas 2 organizações deram origem à atual EFCA)

Na Assembleia Geral da FEACO – Federação Europeia das Associações de Consultores de Gestão realizada no Mónaco, em maio, a APPC é admitida como representante de Portugal nesta organização.
1981
22ª FIL - “Know-how, Engineering – Estudos, Projetos e Serviços” e admissão na FEACO
Código Deontológico da APPC e início da publicação dos “livros de capa amarela”
Na Assembleia Geral de 2 de julho é aprovado o Código Deontológico da APPC, que foi enviado a mais de 2000 entidades públicas e privadas; com esta publicação inicia-se um ciclo de publicações genericamente conhecidas como "livros de capa amarela” que, pela novidade e precisão de conceitos, tiveram um assinalável sucesso.
1976
Código Deontológico da APPC e início da publicação dos “livros de capa amarela”
“Guia para a Utilização dos Serviços dos Consultores Técnicos”
Na Assembleia Geral de 27 de março é aprovado por unanimidade o "Guia para a Utilização dos Serviços dos Consultores Técnicos”, um trabalho de profundidade que exigiu o consenso generalizado dos associados.
1980
Constituição formal da APPC

1975
Constituição por escritura pública da APPC
Constituição por escritura pública da APPC no dia 16 de janeiro: publicação dos Estatutos no Diário do Governo, III Série, nº 28, no dia 3 de fevereiro; aquisição da personalidade jurídica no dia 5 de fevereiro. A escritura da constituição é outorgada por 3 membros da Comissão Instaladora: José de Araújo Coutinho, Carlos Manuel Ramos e Mário Martins Baptista; a sede era no Edifício da AIP, na Praça das Indústrias; os sócios podiam ser individuais ou coletivos.
1975
Constituição por escritura pública da APPC
Constituição da Comissão Instaladora da APPC
Depois de algumas reuniões e sessões de trabalho durante as quais foram elaboradas 3 versões do anteprojeto dos estatutos da APPC, na reunião da Comissão Permanente de 6 de fevereiro de 1974 é aprovado o anteprojeto final do documento.

No dia 5 de março é constituída a Comissão Instaladora da APPC e extinta a Comissão Permanente; o projeto dos Estatutos da APPC é enviado a todos os congressistas, juntamente com o Relatório final do Congresso.

A Comissão Instaladora inicia os seus trabalhos com a preparação de um programa de ação que inclui contactos a nível ministerial para assegurar o reconhecimento legal da APPC e com a comunicação social para a divulgar; são feitas inscrições provisórias de sócios; o "25 de abril” provoca uma interrupção nos trabalhos da Comissão e atrasa todo este processo.

No dia 17 de maio realiza-se, entretanto, uma reunião geral muito participada (75 pessoas) que se prolongou por horas, dominada por 2 temas: a crise de trabalho que se adivinhava e o programa de ação proposto pela Comissão Instaladora.

A intensificação da crise levou à constituição, em outubro, de uma Comissão Mista, composta por representantes da Comissão Instaladora da APPC, da Secção de Consultores Técnicos e Projetistas da AIP e do CTPI, destinada a levar ao conhecimento das entidades governamentais a situação que o setor enfrentava e possíveis soluções.


1974
Realização do I Congresso Nacional de Projectistas e Consultores
Em maio de 1973 realiza-se o I Congresso Nacional de Projectistas e Consultores, nas instalações da antiga FIL (AIP), que teve 400 participantes; um dos temas tratados foi a "Organização do Sector", tendo os organizadores decidido criar uma Comissão Executiva para propor aos congressistas a constituição de uma Comissão Permanente destinada a dar continuidade aos trabalhos do Congresso.

No dia 26 de julho a Comissão Executiva convoca uma reunião para constituir a Comissão Permanente, a qual elege um Presidente e nomeia, entre os seus membros, uma Comissão Executiva, que irá elaborar o anteprojeto dos estatutos do "organismo” que representará os projetistas e consultores.

1973
Realização do I Congresso Nacional de Projectistas e Consultores
Comissão Organizadora do I Congresso Nacional de Projectistas e Consultores
No âmbito da 81.ª Secção da AIP - Consultores Técnicos e Projectistas, realiza-se em maio uma primeira reunião para propor e discutir a realização de um congresso; é constituída a Comissão Organizadora do I Congresso Nacional de Projectistas e Consultores.
1972
Segundo movimento associativo: criação do CTPI – Consultores Técnicos para Projectos Internacionais, Lda
Resulta de uma tentativa de coordenação dos esforços isolados que as mais representativas organizações do Sector vinham a desenvolver para a exportação dos seus serviços; integra 10 empresas, das quais 8 são membros da Secção Consultores Técnicos e Projectistas da AIP: EDP, Profabril, Coba, Hidroprojecto, Lusotecna, Cetel, Consulmar, Electroconsul, GPA e Norma.
1970
Segundo movimento associativo: criação do CTPI – Consultores Técnicos para Projectos Internacionais, Lda
81ª Secção da Associação Industrial Portuguesa – Consultores Técnicos e Projectistas
No dia 12 abril de 1967 é formada a 81ª Secção da Associação Industrial Portuguesa – Consultores Técnicos e Projectistas; em 1970 integra 9 membros e em 1973 este número aumenta para 18.
1967
81ª Secção da Associação Industrial Portuguesa – Consultores Técnicos e Projectistas
Antecedentes da criação da APPC

1966
1966
Primeiro movimento associativo

No seguimento de trocas de impressões com um Diretor do Banco Mundial, a empresa de consultoria COBA toma a iniciativa de promover entre as organizações portuguesas de "consulting" uma reunião para estudo do seu eventual agrupamento para efeitos de "promoção da técnica nacional no exterior”.